Cultural 13 de agosto de 2014
Museu Afro Brasil tem até reprodução de um navio negreiro, em São Paulo
Imagem: Site Museu Afro
Imagem: Site Museu Afro

“O povo negro entendeu que o grande vencedor/ Se ergue além da dor/ Tudo chegou sobrevivente num navio/ Quem descobriu o Brasil?/ Foi o negro que viu a crueldade bem de frente/ E ainda produziu milagres de fé no extremo ocidente”. A letra de “Milagres do povo”, de Caetano Veloso poderia perfeitamente servir de síntese do Museu Afro Brasil (MAB), que conta a trajetória histórica e as influências africanas na construção da sociedade brasileira.

Em meio ao verde do Parque Ibirapuera, a atração possui aproximadamente 11 mil metros quadrados onde estão abrigadas mais de seis mil obras, organizadas a partir da coleção particular de Emanuel Araújo, artista plástico, curador e diretor do local. “O Museu Afro Brasil preserva e referencia a presença do povo negro na nossa sociedade, servindo para o fortalecimento da identidade dos brasileiros”, diz a bibliotecária aposentada Marlene Simões de Paula.

Disposto em seis núcleos temáticos, o acervo tem preciosidades como gravuras, pinturas, esculturas, vestimentas, fotografias, peças etnológicas e documentos produzidos por autores brasileiros e estrangeiros do século 18 à atualidade. No térreo ficam as exposições temporárias, no piso superior, as exposições de longa duração. O destaque fica por conta de uma instalação que reproduz o ambiente do navio negreiro.

A atração ainda conta com o Teatro Ruth de Souza (150 lugares) e uma biblioteca especializada nos universos culturais africanos e afro-brasileiros, abordando temas como a religião, o trabalho, a arte, a escravidão.

MUSEU AFRO BRASIL
www.museuafrobrasil.org.br